Os aspetos culturais do cancro no Brasil.

De acordo com as últimas estimativas do Brasil para 2021 e 2022, estimativas oficiais do governo, estamos com 700.000 novos casos de cancro no Brasil. Uma estimativa que poderá ficar abaixo das expectativas.


Próstata e mama, são os cancros mais prevalentes no homem e mulher, no Brasil. A salientar que a prevalência de cancro do colo do útero, ao contrário de Portugal, é ainda um tipo de cancro muito prevalente no Brasil.


Ainda assim, cancro, ainda não é a doença que mais mata no Brasil. A doença isquémica do coração ainda é o grande vilão e a doença cérebro vascular é a o 2º grande vilão.

Cancro de pulmão era a 10º causa de morte no Brasil, ou seja, é o cancro que mais mata, apesar dos mais prevalentes serem mama e próstata.


Enquanto nos EUA e na Europa a neoplasia de mama seja decrescente, no Brasil esta ainda é crescente e quanto maior a faixa etária, maior é a mortalidade.


Isto deve-se à fragilidade na prevenção, aos intervalos longos de tempo entre o diagnóstico e o tratamento, à falta de acesso aos tratamentos na rede pública.


Em 2020 chegou a Covid-19 e tornou-se a principal causa de morte no Brasil e isto veio reduzir a expectativa de incidência de cancro. “muita gente que teria cancro aos 60 anos, morreu de Covid-19 aos 45 anos.” Explica Ricardo Caponero.

O palestrante continuou e aprofundou a sua apresentação, levando até aos participantes do congresso a realidade desta doença no seu país.

Uma intervenção que muito engrandeceu este evento online e em direto, que se encontra agora disponível em diferido, no site do congresso.


Se não teve oportunidade de estar connosco ao vivo e em direto, poderá aceder agora, acompanhar este acontecimento em diferido e obter o seu certificado. Torne-se membro do site (faça o seu registo), faça a assinatura do seu plano e seja muito bem-vindo(a)!




7 visualizações0 comentário